Driblando a Crise Econômica na Cadeia de Abastecimento.

Artigo escrito por Marco Antonio Oliveira Neves, diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística.

O ano de 2015 se tornará inesquecível para muita gente. Este também. Serão lembrados pelos efeitos econômicos devastadores causados pela má gestão do poder público.

As áreas de logística, PCP e de compras foram atingidas diretamente pela incompetência e pela corrupção de nossos governantes. Em 2015, com base em nosso cadastro de profissionais, que conta com mais de 10.000 executivos de Supply Chain, cerca de 8% dos Diretores e Gerentes de Logística, PPCP, S&OP e de Compras foram demitidos em função dos desdobramentos da atual crise política e econômica. Para se ter uma ideia do desastre causado, o normal é esse número oscilar entre 1,0% e 1,5% ao ano. Posições de Coordenadores, Supervisores, Encarregados, Líderes e Analistas também foram fortemente atingidas, e chegaram a registrar a demissão de dezenas de milhares de profissionais. Quando tratamos da equipe operacional, identificamos cifras ainda mais assustadoras.

Olhando adiante, o cenário é altamente preocupante. Parece que ainda não chegamos ao fundo do poço. Entidades diversas estimam nova queda no PIB em 2016, superior à verificada em 2015, e nível de desemprego recorde.

Este mês de abril será decisivo para uma série de desdobramentos futuros. Daqui a alguns dias será votado o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, e nesse caso, parece não haver melhor ou pior caminho a ser seguido. Creio
estarmos em uma via sem saída.

Se ela ficar, não terá apoio suficiente para dar encaminhamento às mudanças necessárias. Até o momento, Dilma e sua equipe demonstraram claramente que não sabem o que deve ser feito; ao contrário, nem mesmo entre os membros de seu partido parece existir algum tipo de consenso.

Se sair, a pergunta que todos fazemos é: será que seu substituto reunirá condições para recolocar o Brasil no eixo? Será que o PT entregará facilmente o comando do país ao novo presidente, ou teremos que enfrentar distúrbios
diversos decorrentes de greves, paralisação de vias públicas, invasão de propriedades, etc.? Só Deus sabe!

Alguns ainda acreditam que ela vai renunciar, gerando a convocação de novas eleições em 90 dias. Acham, que dessa forma, o PT terá tempo de se reconstruir para concorrer a novas eleições em 2018. E como oposição, transferirão a responsabilidade pelos problemas ao novo Governo. Tentarão contar com a memória ruim dos eleitores para retornar ao poder.

Mas, voltemos à nossa realidade. O que fazer em nosso restrito campo de atuação, na condução do dia a dia?

A questão dos custos é fundamental. Alguns profissionais têm sido pressionados há muitos anos, muito antes do estouro dessa crise; outros apenas evidenciaram essa pressão recentemente. Diante da necessidade urgente de reduzir custos, presenciamos diversas empresas pressionarem seus Fornecedores de produtos e serviços. Outras ainda preferem transferir o problema para seus Clientes. Em meio a essa interminável tempestade, posturas unilaterais, muitas vezes “terroristas”, têm dominado a relação entre empresas e seus Clientes e Fornecedores. As empresas argumentam que não há tempo para decisões mais sofisticadas, de cunho colaborativo, ou baseadas em medidas que surtam efeitos a médio ou longo prazo. Precisam de resultados imediatos. Ou seja, ou você acata, ou você está fora.

Isso é totalmente compreensível, mas é importante termos muito cuidado nesse momento. Decisões intempestivas poderão gerar problemas ainda maiores. Poderão culminar em paradas de linhas produtivas ou maior número de setups, aumento dos estoques de segurança, custos com stock outs, maiores gastos com fretes em função de não conformidades diversas (avarias, furtos, extravios, reentregas, etc.), pedidos incompletos e atraso nas entregas. Resumindo, o barato pode sair muito mais caro.

Portanto, diante da pressão, adote uma postura diferenciada. Primeiro, faça a lição de casa junto aos demais departamentos da sua empresa, integrando Vendas, Marketing, Manufatura, Financeiro, Logística, PPCP e Compras.
Paralelamente, atue externamente e convoque seus Fornecedores e Clientes para um debate conjunto. Faça um brainstorming. Seja transparente. Traga dados para a discussão e trabalhe com números realistas; se preciso, desenvolva cenários. Veja como cada um pode contribuir e o que pode ser feito em conjunto. Colaboração pode ser a solução.

Com um trabalho feito a quatro mãos você poderá reduzir estoques de insumos produtivos e produtos acabados, reduzir lead-times de atendimento e de produção, melhorar a acurácia da previsão de vendas, minimizar problemas
com avarias em produtos, otimizar a capacidade dos veículos, ampliar a produtividade da mão de obra na separação de pedidos, reduzir os tempos mortos dos veículos nas coletas e entregas, etc.

Persiga o ganha-ganha, e não o ganha-perde, pois tudo poderá se transformar em um danoso perde-perde. Atue de forma consistente, evitando assim um sério risco de engrossar a estatística de desemprego.

Boa sorte. Bom trabalho!

Deixe uma resposta

Como podemos te ajudar?

Entre em contato com a Tigerlog se precisar de mais informações sobre nossos produtos, serviços, cursos ou até mesmo sobre informações de mercado.

QUERO MAIS INFORMAÇÕES SOBRE OS PRODUTOS E SERVIÇOS

Demos

Layout

Wide
Boxed